Notícias

Profissionais da saúde reclamam da falta de equipamentos de proteção nos postos de BH

Por Redação, 28/03/2020 às 08:37
atualizado em: 28/03/2020 às 09:43

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00

O sindicato dos Servidores da Prefeitura de Belo Horizonte (Sindibel) denuncia que falta equipamentos de proteção aos profissionais da saúde, principalmente máscaras, e pede que a PBH reavalie a condição de trabalho dos servidores que são do grupo de risco e que trabalham na linha de frente de atendimento a pessoas com coronavírus.

Segundo Bruno Pedralta, alguns trabalhadores estão recebendo uma máscara por plantão ou uma máscara a cada 6 horas e não como o exigido pelas normas de saúde e segurança do trabalho, pela Organização Mundial da Saúde e pela Anvisa. Pedralta diz ainda que a informação que tem é que os estoques da prefeitura estão críticos em função de toda situação que estamos vivendo e que o órgão aguarda o apoio do Ministério da Saúde.

"Isso naturalmente coloca as pessoas que têm uma chance maior de complicações, com eventual infecção do vírus, em situação de vulnerabilidade", diz.

Em nota, a PBH informa que está publicado no Diário Oficial do Município do dia 20 de março uma portaria que regulamenta a prestação dos serviços na Secretaria Municipal de Saúde e as medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo Novo Coronavírus (COVID-19).

“Dentre as medidas de prevenção ao contágio,  os profissionais com idade superior à 60 (sessenta) anos, as gestantes e os comprovadamente imunossuprimidos foram afastados do trabalho presencial, realizando suas atividades por meio do teletrabalho. Todos os profissionais são orientados a, caso apresentem sintomas de doenças respiratórias, comunicar à chefia imediata e ser afastado das atividades, de forma preventiva”.

Com relação à falta de máscaras, a Secretaria Municipal de Saúde ressalta que está fazendo uso racional destes insumos e, somente os profissionais que mantém contato direto com os pacientes com sintomas de doenças respiratórias, como médicos e enfermeiros, fazem uso da máscara N95. 

Profissionais que realizam o atendimento da linha de frente nos Centros Especializados, UPAs e Centros de Saúde, como triagem, recepção administrativo responsável pelas fichas e enfermeiros que se encontram na classificação, fazem uso das máscaras cirúrgicas. Os profissionais do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica, como fisioterapeutas e nutricionistas, foram direcionados para retaguarda, para auxiliarem na notificação e monitoramento telefônico dos casos. Como não têm contato direto com paciente, não há indicação de uso da máscara.

“Todos os profissionais são orientados sobre a utilização correta dos equipamentos de proteção individual e, além disso, a Gerência de Assistência Farmacêutica está monitorando o consumo de medicamentos e insumos demandados para o COVID19”, diz a nota.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    O Ministério da Saúde divulgou na noite deste sábado o boletim atualizado com os dados do novo coronavírus no Brasil. #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Há ainda o pedido para que o Ministério da Saúde adicione novamente ao Painel Coronavírus os dados apagados na sexta-feira (5). #itatiaia

    Acessar Link