Auto Truck CPM Interno

Notícias

Vendedores ambulantes em BH enfrentam a fiscalização para garantir sustento da família  

Por Redação, 23/08/2019 às 12:02
atualizado em: 23/08/2019 às 12:14

Texto:

Foto: Monica Miranda/ Itatiaia
Monica Miranda/ Itatiaia

Em meio ao desemprego, trabalhar com vendas nas ruas é uma solução para manter o sustento. Os produtos ofertados são diversos: de doces até roupas e utensílios de cozinha. No entanto, além da falta de estabilidade financeira, esses trabalhadores têm que conviver com a fiscalização de órgãos públicos. 

Ouça a matéria completa com a repórter Mônica Miranda

A falta de uma legislação para tratar da categoria na capital mineira é uma cobrança do vereador Agostinho Patrus (PV). Conforme o parlamentar, uma proposta para a criação de feiras livres foi encaminhada pelo Legislativo à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Ele explica que esses espaços tirariam os vendedores ambulantes do centro da cidade e de pontos de comércio. “A população poderia escolher: ir ao centro da cidade ou a essas feiras”. 

Analista do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Laurana Viana busca um visão humanizada dos vendedores ambulantes. “São pessoas que têm apenas essa renda para sustentar a família. Isso é um dado muito sério e temos que ter um olhar mais apurado, porque eles estão na informalidade e usam desse dinheiro para gerar uma economia”, ressalta. 

Leia também: Em cenário de crise e desemprego, jovens precisam vender balas para sobreviver

Mercado informal ajuda reduzir desemprego, mas pode prejudicar comércio, avalia CDL

Conforme especialistas em economia, o mercado informal pode atrapalhar o desenvolvimento econômico, já que os vendedores ambulantes podem representar uma concorrência injusta para o comércio. Para contrapor essa teoria, Laurana Viana argumenta que o dinheiro obtido pelos vendedores ambulantes consegue movimentar a economia. “Eles consomem produtos vendidos pelo mercado formal”, analisa. 

Ela ressalta que o Sebrae propõe o desenvolvimento do senso empreendedor desde a infância, por meio do programa escolar “Cultura empreendedora”. Instituições de ensino que tenham interesse podem procurar o Sebrae para implementar o projeto. Laurana conclui que programas como esse podem ser solução para futuros brasileiros que não encontrarem espaço no mercado formal.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link