Notícias

Secretaria de Saúde reforça importância da prevenção e controle da sífilis

Por Agência Minas , 28/08/2019 às 10:39
atualizado em: 29/08/2019 às 10:54

Texto:

Foto: Pixabay
Pixabay

A sífilis, caracterizada por ser uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), causada pelo Treponema pallidum (T. pallidum), está avançando não só em Minas Gerais, mas em todo o país. Para controlar o aumento de casos, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a toda a população medidas de prevenção ao agravo, como preservativos, exames para diagnóstico e tratamento necessário.

“O aumento do número de casos de sífilis na atualidade pode ser atribuído à ampliação do diagnóstico por meio da testagem rápida na atenção primária. No entanto, também há a ocorrência da redução do preservativo nas relações sexuais, que consiste na principal forma de prevenção da doença”, afirma a coordenadora de IST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Mayara Marques.

Sífilis adquirida

A sífilis adquirida traz sérias complicações para a saúde humana. É caracterizada por feridas nos órgãos genitais, erupções pelo corpo e nas mucosas, danos no cérebro, medula espinhal e vasos sanguíneos. “A sífilis adquirida pode ser transmitida tanto por meio do ato sexual, quanto pelo contato com o sangue infectado. A infecção é passível de prevenção e tem cura”, explica Mayara. Ao longo de 2018, Minas Gerais registrou 14.842 casos de sífilis adquirida no estado, enquanto em 2019, até o momento, foram notificados 8.235 casos.

Sífilis em gestante

Na classificação da sífilis em gestantes, há a probabilidade de a doença ser transmitida para o feto, fato caracterizado pela transmissão vertical, principalmente entre a 16ª e a 28ª semana de gestação. O contágio ocorre com mais periodicidade no período intrauterino, mas também pode acontecer no parto, se houver lesão ativa.

“É imprescindível que a gestante realize todas as consultas e exames do pré-natal. O teste para diagnóstico da doença é feito na primeira consulta, no terceiro trimestre da gestação e no momento do parto. A infecção no recém-nascido pode ser prevenida por meio de exames de rotina, tratamento adequado em casos de exame positivos e pelo uso do preservativo”, explica a coordenadora Mayara Marques.

Em 2018, Minas Gerais registrou 5.498 casos de sífilis em gestantes e, em 2019, até o momento, o estado teve notificação de 2.514 casos.

Sífilis congênita

A sífilis congênita ocorre quando há a transmissão da doença para o bebê durante a gravidez. “Na ausência de tratamento, a transmissão vertical da sífilis é elevada. Entretanto, o diagnóstico e tratamento oportuno são altamente eficazes e reduzem a transmissão de forma considerável. O número de casos notificados para esta modalidade da doença dependerá, portanto, da capacidade de intervenção dos serviços para reduzir a transmissão vertical, do diagnóstico precoce e tratamento adequado às gestantes e seus respectivos parceiros”, explica Mayara.

Em 2018, Minas Gerais registrou 2.433 casos da sífilis congênita, enquanto em 2019, até o momento, foram notificados 1.336.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Campeonato Mineiro Coimbra x América

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽Boliviano irá desembarcar em Belo Horizonte nesta terça-feira, às 11h30

    Acessar Link