Notícias

Ricardo Salles diz que mundo teria de dar US$ 50 bilhões por ano para ajudar Amazônia

Por Agência Estado , 08/09/2019 às 14:40
atualizado em: 08/09/2019 às 14:42

Texto:

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse  nesse domingo em uma reportagem especial da rede de televisão britânica BBC que, se o mundo realmente tiver interesse em ajudar na manutenção da floresta, teria que enviar mais de US$ 50 bilhões por ano para o Brasil. "Fizemos aqui um cálculo: se cada hectare da Amazônia receber US$ 100,00 por ano - estamos falando de mais de US$ 50 bilhões por ano - este é o volume de recursos que seria necessário para a gente realmente ter condições de dizer que a Amazônia está realmente sendo ajudada pela comunidade internacional", afirmou.

Esta foi a única fala do ministro, dada como porta-voz do governo para a longa reportagem de 23 minutos veiculada há pouco pela emissora estatal e que traz vários aspectos sobre a Amazônia. A floresta chamou atenção internacional depois do início das queimadas que vem sofrendo. O assunto virou ainda mais polêmico quando o presidente da França, Emmanuel Macron, levou o tema para o grupo dos sete países mais ricos do mundo (G7) e que seus líderes decidiram enviar recursos para o país para conter os incêndios - o Reino Unido também enviou uma quantidade extra. O montante foi inicialmente negado pelo presidente Jair Bolsonaro, alegando interferência na soberania nacional.

Após fazer uma apresentação sobre as espécies que correm risco de extinção e o desmatamento no local, a reportagem diz: "o Brasil agora está dizendo para a comunidade internacional: nos pague para manter a floresta". A hipótese também foi veiculada nesta semana em um artigo escrito para a versão online do jornal britânico Financial Times pelo membro do Instituto Romeno para o Estudo da Ásia-Pacífico Andrea Leonte. Ele argumentou que salvar as florestas as torna mais valiosas para seus países do que liberar a exploração da terra pela agricultura ou mineração. Mas para isso, precisam de alguma compensação.

A reportagem da BBC mostra comunidades indígenas, a posição de fazendeiros que produzem no local e a importância das exportações de carne para o Brasil. Também destaca avaliações sobre a destruição do local por um jornalista que atua como voluntário para proteger a floresta e dá longo espaço para uma cientista brasileira, da Universidade de Oxford, que estuda a Amazônia. Uma das falas mais impactantes é a de que se o ser humano destruir a floresta não terá capacidade de reconstruir um ambiente como aquele novamente. A avaliação foi feita após o repórter da BBC mostrar que o tamanho equivalente de um campo de futebol é destruído por minuto na Amazônia.
 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link