Unimed Set Maxiboard interno

Notícias

Política vai definir como será realizada a Copa do Mundo do Catar em 2022

Por Agência Estado, 17/07/2018 às 10:57
atualizado em: 17/07/2018 às 11:00

Texto:

A Fifa vai para a sua primeira Copa do Mundo no Oriente Médio sem saber quantas seleções vão jogar, quantos estádios serão realizados, sem saber como será a eliminatória e sem saber quem ainda será preso por conta das investigações de corrupção.

Em 2022, o Catar recebe o Mundial, prometendo um investimento inédito e uma receita sem precedentes para a Fifa. Mas, se as obras estão garantidas, a incerteza é política. A entidade quer ampliar o evento de 32 seleções para 48, o que envolveria realizar partidas não apenas no Catar, mas também em países vizinhos.

Em uma guerra diplomática e sofrendo embargo dos sauditas e da região, o Catar vem resistindo à proposta de ampliação, ciente de que realizar 80 jogos, e não 64, representaria abrir o Mundial para Bahrein, Omã e Emirados Árabes Unidos.

O Estado apurou que o presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino, tem justamente usado esse argumento político como forma de fazer avançar a sua ideia de ampliar a Copa do Mundo do Catar. Nos bastidores, ele tem explicado a dirigentes que o gesto poderia abrir canais diplomáticos, dando à Fifa até mesmo um status de mediador político internacional, um velho sonho dos cartolas.

O governo de Doha já deixou claro que é contrário à ideia e, para não criar polêmicas durante a Copa do Mundo na Rússia, Gianni Infantino retirou o assunto da pauta. Mas ele já avisou que o tema vai ser retomado a partir de setembro. Além do golpe de publicidade diplomática, uma expansão para 48 seleções garantiria um aumento de US$ 1 bilhão (R$ 3,86 bilhões) para sua entidade, além de votos das associações nacionais na reeleição em 2019.

Nem todos concordam. O CEO da Copa do Mundo da Rússia, Alexey Sorokin, deixou claro na semana passada que o Catar “precisa ser consultado”. Gianni Infantino, que não pretende desistir de sua ideia, acredita que o projeto poderia ser “positivo para toda uma região”.

Até que a equação política seja resolvida, porém, o futebol fica suspenso. Uma ampliação teria um impacto generalizado nas Eliminatórias em diversas partes do mundo, modificando até mesmo como esses torneios deveriam ser realizados. O primeiro deles já começa na Oceania, em março de 2019.

Corrupção

A história da Copa do Mundo do Catar foi sempre repleta de polêmicas. O país foi o pior classificado na avaliação da Fifa, realizada em 2010. Mas, quando os votos foram revelados, o menor país a jamais receber um Mundial superou gigantes como Austrália, Japão e Estados Unidos.

Investigações se proliferaram na Fifa, na Justiça da Suíça, Espanha, França e Estados Unidos, com revelações de como cartolas como o brasileiro Ricardo Teixeira e o argentino Julio Gordona receberam supostamente recursos em troca de votos. Apurações também indicam que mesmo a seleção brasileira possa ter sido usada em amistosos para justificar pagamentos ilegais aos dirigentes.

À reportagem, o ex-presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, deixa claro que todo o caos gerado com as prisões dos delegados da entidade apenas ocorreu por conta da escolha do Catar, em detrimento dos norte-americanos.

“Isso ocorreu por conta da intervenção da política francesa, do presidente da França (Nicolas Sarkozy), que se encontrou no Palácio do Eliseu com o príncipe herdeiro do Catar e que hoje é o emir”, contou. “Depois daquilo, Michel Platini veio até mim e me disse: 'Desculpe-me Sepp, não posso garantir mais meus votos para os Estados Unidos'. Se isso tivesse ocorrido, não estaríamos nessa situação caótica como está ocorrendo nos EUA, com o julgamento”, apontou.

A escolha não gerou apenas um caos legal. A Fifa passou a ser acusada de ser conivente de um sistema trabalhista que viola direitos humanos e, diante do calor do verão no Golfo, a Copa do Mundo teve de ser modificada para novembro, afetando todo o calendário internacional.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link