Notícias

Kalil defende que torcedores racistas sejam banidos e pede fim da venda de cerveja nos estádios

Por Redação , 13/11/2019 às 06:55
atualizado em: 13/11/2019 às 09:18

Texto:

Foto: Amira Hissa/PBH
Amira Hissa/PBH
00:00 00:00

Sempre com opiniões fortes, o prefeito de Belo Horizonte e ex-presidente do Atlético, Alexandre Kalil, não se omitiu sobre o caso de injúria racial contra um segurança no clássico do último domingo (10). A entrevista exclusiva foi concedida à repórter Edilene Lopes, da Itatiaia. Na avaliação dele, os dois torcedores envolvidos no caso deveriam ser banidos. 

“Enquanto não tivermos uma punição definitiva, isso não vai acabar. Eu sou neto de imigrante. Eu fui discriminado. Isso é repugnante, é horrível. Eu estava comentando com um filho meu sobre o assunto no telefone e falei: ‘Gente, esse povo tem que vir aqui para a prefeitura para eu ensiná-los um monte de palavrões. Eles não precisam ofender a cor da pessoa’”. 

Leia também: Torcedor que cometeu injúria diz não ser racista: ‘Tenho parentes negros, meu cabeleireiro é negro’

Torcedores acusados de injúria racial são expulsos do quadro de sócios do Atlético

Bebidas nos estádios 

Outro tema abordado pelo prefeito foi a bebida nos estádios. Para Kalil, a resposta é simples: o retorno da venda de cerveja dentro dos estádios é uma ‘estupidez’ e deveria ser ‘banida inteligentemente’. 

Para reforçar o discurso, Kalil relembra a época em que foi presidente do Atlético, quando não eram vendidas bebidas alcoólicas nos estádios. “A bebida é o mal do futebol brasileiro. Eu tenho um dado importante que é da minha época: as ocorrências policiais caíram 70% nos estádios quando não tinha bebida. Setenta. Não são nem 20 nem 30. Isso é dado que a polícia me deu quando eu era presidente”, diz. 

Alexandre Kalil foi presidente do Atlético entre 2009 e 2014 e conquistou importantes títulos, como a Copa Libertadores (2013), Copa do Brasil (2014) e a Recopa (2014).

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link