Auto Truck CPM Interno

Notícias

Em cenário de crise e desemprego, jovens precisam vender balas para sobreviver

Por Redação, 21/08/2019 às 08:19
atualizado em: 21/08/2019 às 14:08

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Mônica Miranda/ Itatiaia
Mônica Miranda/ Itatiaia

Em um país com 13 milhões de desempregados, é preciso se reinventar para garantir o pão de cada dia. Sem emprego e precisando de dinheiro para sustentar a família, muitos brasileiros encontram no mercado informal uma maneira de sobreviver. 

Ouça a matéria completa com a repórter Mônica Miranda

Os vendedores que transitam pelas ruas de Belo Horizonte, oferecendo balas, chocolates e outros produtos que dificilmente custam mais do que R$ 10 estão entre esses trabalhadores que não batem ponto tampouco têm carteira assinada, mas se reinventam em um cenário de crise. 

Wesley José Santos, de 17 anos, mora em Ribeirão das Neves e, hoje, consegue ter uma renda mensal de R$ 1.500 com a venda de balas. Ele conta que antes de chegar à arrecadação atual foi preciso espírito de empreendedor. “Eu peguei R$ 20 emprestado com um amigo para comprar a mercadoria. Vendi, tirei o dinheiro, paguei meu colega e o que sobrou eu comprei ainda mais mercadoria para trabalhar”, conta. 

Aos 18 anos, Carlos, que há sete meses conseguiu um ponto para vender balas na avenida Alvares Cabral, também consegue ter uma renda aproximada de R$ 1.500 mensais. “Uma coisa que eu prezo muito é minha independência financeira. Querendo ou não, se um homem não correr atrás do seu próprio dinheiro, ele não consegue ser nada na vida.”

A rotina de trabalho de Carlos é dividida com os estudos. O sonho dele? “Ser militar. Seguir carreira militar no exército, marinha, aeronáutica (...) quem sabe eles não me mandam para outro estado?.”

Nessa quinta-feira (22), o Jornal da Itatiaia 1ª Edição conta a história de outros vendedores, que se reinventam para adquirir renda. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link