Auto Truck CPM Interno

Notícias

Após empate, Supremo suspende discussão sobre repasses do Executivo a outros poderes

Por Agência Brasil , 22/08/2019 às 15:46
atualizado em: 22/08/2019 às 15:50

Texto:

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira suspender a discussão sobre a possibilidade de o Executivo limitar repasses de recursos a outros poderes em caso de frustração de receitas no Orçamento. A decisão foi tomada após o plenário se dividir sobre o tema, com cinco votos a favor para que o Executivo adote a medida e outros cinco votos contra.

O desempate do placar ficará sob a responsabilidade do decano do STF, ministro Celso de Mello, que não compareceu à sessão desta quinta  por estar se recuperando de uma pneumonia.

"O ministro [Celso] encontra-se justificadamente ausente, então suspenderei a proclamação final desse dispositivo, para aguardar a presença de Sua Excelência", disse o presidente do STF, ministro Dias Toffoli.

Para declarar um dispositivo inconstitucional, são necessários os votos de seis ministros.

Uma decisão final da Corte é aguardada pelos estados, que veem no dispositivo uma possibilidade de estancar parte do problema que drena recursos dos cofres estaduais. Hoje, quando a arrecadação fica abaixo do projetado no Orçamento, os demais poderes ficam imunes a tesouradas nas despesas e continuam recebendo o repasse mensal (duodécimo) normalmente, às custas do Executivo.

Voto

No início da sessão desta quinta-feira, o ministro Luiz Fux acompanhou o entendimento do relator, ministro Alexandre de Moraes, que votou para manter esse dispositivo da LRF suspenso, conforme antecipou o 'Estado'. "Retomar o dispositivo vai exatamente trazer um ambiente de crise institucional e desarmonia", disse Fux.

Esse dispositivo da LRF foi suspenso por unanimidade pelo STF em 2001 - Celso de Mello já integrava a Corte naquela época.

Conforme mostrou o Estadão em junho, os poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensoria dos Estados tinham no fim do ano passado uma sobra de R$ 7,7 bilhões em recursos livres, que poderiam ser usados para bancar outras despesas. Enquanto isso, os Executivos dos Estados continuam com contas atrasadas e muitos não conseguem sequer colocar salários de servidores em dia.

Placar

Além de Moraes e Fux, votaram contra o Executivo reduzir repasses para outros poderes os ministros Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Cármen Lúcia.

Em sentido contrário, outros cinco ministros se posicionaram a favor de o Executivo poder promover um corte linear nos chamados 'duodécimos' de outros poderes, caso eles próprios não façam o ajuste nas despesas diante da queda na arrecadação: Toffoli, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello.

 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link