José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

Vivemos a era das ofensas

Da escritora, atriz e roteirista Fernanda Young que morreu ontem aos 49 anos 

26/08/2019 às 11:10
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Tudo começou com a internet, que popularizou o anonimato — até então restrito aos autores de cartas anônimas, telefonemas com voz falsa e pedidos de resgate. Mas foi a partir do surgimento das redes sociais que os seres humanos ingressaram numa época obscura, que um dia poderá ser conhecida como a era das ofensas.

Parece que a humanidade passou os últimos cinco mil anos, desde a invenção da escrita, aguardando esta oportunidade: uma área de comentários. Uma lacuna na página, onde ela fosse convidada a dar palpites na vida alheia, dizendo o que bem entendesse, publicamente, sem se preocupar com qualquer tipo de consequência. Um espaço aberto para as diferentes maneiras de pensar, no qual pseudônimos enigmáticos fossem bem-vindos e insultos estivessem liberados.

Tinha tudo para ser maravilhoso, não é? Todos no mundo sendo capazes de expressar suas opiniões, com absoluta liberdade — o que poderia dar errado? Mas o que se seguiu tem sido uma eclosão de ofensas indiscriminadas, cuja virulência normalmente beira a agressão verbal. Agora, estamos acostumados a entrar nos nossos perfis e sermos sumariamente esculhambados. Leia os comentários sobre qualquer notícia, em qualquer site: aposto que vai ter alguém xingando alguém.

O ser humano encontrou a sua essência na ofensa mútua. Sim, você pode discordar do outro sem precisar ofender, mas ofendendo ganha muito mais likes. E as acusações podem ser infundadas, o que é deliciosamente tentador. Até os erros gramaticais são totalmente perdoados, pois não se pode pedir para alguém ser grosso e culto ao mesmo tempo.

O planeta vive seu momento de barraco, e o bate-boca é generalizado. “Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos aqueles que nos têm ofendido”, nunca uma súplica foi tão atual. (...)

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link