Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Dia do Sexo

O mais importante nesse dia é lembrar que, se responsável, a prática do sexo resulta em diversos benefícios para a saúde

05/09/2019 às 04:23
Dia do Sexo

Em 1935, falar sobre sexo era algo proibido para a maioria das pessoas e dos lugares, ainda que na intimidade do lar se os filhos estivessem por perto. Um grupo chamado Círculo Brasileiro de Educação Sexual entendia que incentivar o debate sobre a prática sexual era urgente e que uma data precisava lembrar todo mundo. 

Qual dia? Alguém logo sugeriu o 6 de setembro, ou 6 do 9, brincadeira numérica de duplo sentido que remete a uma posição sexual popularmente conhecida como 69. Como sempre acontece, o comércio tratou de popularizar, com uma campanha de marketing de grande marca de preservativos. 

Juntando as duas coisas, mais recentemente, e considerando o aumento das doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis, além do surgimento de outras, como AIDS, a data transformou-se então em oportunidade para destacar a importância do uso do preservativo e, paralelamente, quebrar tabus sobre o tema.

O mais importante nesse dia é lembrar que, se responsável, a prática do sexo resulta em diversos benefícios para a saúde, como aumento da imunidade, alívio de insônia e enxaquecas, fortalece os ossos, diminui as dores do corpo, reduz o risco de câncer na próstata e melhora a saúde cardíaca. 

Hoje, como o destino do mundo e, especialmente, do Brasil, é o envelhecimento, a mais instigante discussão é sobre como prolongar a prática junto com a vida. Congresso Brasileiro de Urologia recentemente realizado em Curitiba deixou claro que a farra entre lençóis aos 60 e poucos anos já é quase um namoro de adolescentes. Agora discutem é como será mais adiante... Conforme blog de Lucia Helena - que lá esteve a convite de um fabricante do popular azulzinho - os conferencistas estão bastante otimistas. 
 
É preciso falar com sobriedade e naturalidade. O tempo, claro, deixa marcas: no caso dos homens, a produção do desejo diminui e as respostas aos estímulos são mais demoradas... Já não é o tocou ligou da juventude; entre as mulheres, os hormônios também cobram seu preço... Assim, o remédio, dizem os entendidos, é se adaptar, buscar novas formas de prazer, incluindo mais toque e menos ereção. Aproveite o dia do sexo, o dia do beijo – 13 de abril – o dia do orgasmo – 31 de julho – o dia do amor – 12 de junho – enfim, todos os dias do ano ou, sempre que possível... Só não vale viver sem tesão.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link