Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

O valor dos estaduais: contradições, imprensa e solução

Se é tão desprezível, por que jogamos?

30/01/2019 às 06:48
O valor dos estaduais: contradições, imprensa e solução

Independentemente de preferências pessoais acerca da existência ou não dos estaduais, precisamos resolver uma contradição cada vez mais latente: como gastamos tanto tempo com algo que é desprezado tão acintosamente pela própria comunidade do futebol? Torcedores, imprensa e até alguns personagens dos clubes – estes menos, para não transmitirem a imagem de certa arrogância – “relativizam” com ênfase tão marcante e frequente, o valor técnico e simbólico de jogos isolados, da conquista destes certames, em si, e de méritos individuais neles advindos que fico me perguntando: se é para depreciar/diminuir tanto, qual o sentido em disputar, depositar tanta energia? Por que nos debruçamos quase metade da temporada num objetivo que, caso abocanhado, ainda assim acaba quase completamente desconsiderado nas análises realizadas no restante dela como digno de elogios/sinal de sucesso?

Há dois aspectos que se somam e se misturam nessa confusão toda: por um lado, mostra-se urgente a redução dos regionais – não os exterminaria, ao menos inicialmente. Uma fórmula que sugiro há anos, fácil de ser adotada, proporcionaria farto ganho de datas por meio da divisão das doze equipes em dois grupos; não há motivo para uma fase inicial com onze embates por participante. Cinco duelos, os dois melhores de cada chave avançam, e pronto: chegamos às semifinais com uma quantidade de cotejos diminuta a ponto de não causar aquela sensação de enfado, de que tudo está deveras arrastado, e grande o suficiente para conceder o caráter adequado de “continuidade” – sem ele, nem pareceria uma “competição”, determinado envolvimento orgânico não chega a ocorrer. Sou contra, por exemplo, o modelo escolhido em 2002, quando o Cruzeiro levou o Supercampeonato Mineiro. Tudo errante, efêmero demais. Muito afeito ao aleatório, cheio de potencial para não premiar/exibir qualquer realidade.   

A outra faceta que compõe o mencionado quadro se dá por exagero de contundente parte da mídia e do público na depreciação do produto. Existe uma linha tênue que é superada com louvor nessas críticas. Falta bom senso. Muitos comunicadores, inclusive, embolam o meio-de-campo e criam nova contradição na maneira desproporcional com que cobram apressada e desmedidamente em função de um objeto que desancam também sem temperança e sabedoria. A conta não fecha. A dificuldade de achar assunto e preencher debates tão longos e numerosos pesa. Se o onipresente, o permanente ímpeto de taxar impunemente, criar teorias redentoras as quais distribuem culpas e explicações simploriamente reina durante Brasileirão, Libertadores (...), e nestas também se prova equivocado, quem dirá nos modestos torneios locais... Entre outras coisas, pela imensurável dificuldade de julgar se vitórias fáceis diante de adversários fracos se materializaram mais por méritos do vencedor, ou por total inoperância do nocauteado; essa medição é muito mais complexa do que o apontado por aí...

Dizer que os estaduais “valorizam/salvam o interior”, exatamente nos termos que costumamos ouvir, não passa de muleta automática e normalmente demagoga. Desmenti-la discursivamente nem é tão necessário: basta examinarmos atletas, folhas, estádios, desempenhos... Está na cara e todo mundo sabe que o futebol dos times pequenos sobrevive aos solavancos mesmo com os regionais. Esquecer tradições, não apreender o intangível, recair numa lógica excessivamente material são equívocos que dão as caras rotineiramente na total ojeriza a estes torneios. Por essas e outras, por detectar a chatice oriunda de disparates na duração, os defeitos do nosso ridículo calendário, mas, ao mesmo tempo, por apreender qualidades, utilidades, e, talvez, algo até com um quê de poético, sou pela contundente diminuição – e não pelo aniquilamento.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽️ Jogador balançou a rede mais uma vez, mas não foi suficiente para vencer.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽️ Raposa ficou perto de vencer a primeira fora de casa no Brasileiro.

    Acessar Link